quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Engolindo sapas


Alice
Minha avó hj, ouvindo o cd da novela...
Tocou uma música da Ana Carolina
E ela,
- Essa mulher é ¨%$#%$#@ ão

Rainha de Copas
Uahuhauahuauauhua

Alice
Eu,
- É o quê?
- Sapatão, seu pai falou.
Eu quase falei,
- É, eu tb!
:)

Rainha de Copas
Uahauhauhauuhauh
Q merdaaaaaaa

Alice
Nossa, saco cheio disso, sabe?
Vontade de chutar o balde!

14 comentários:

ValNaWeb disse...

um dia vc fala... :)

Lady Bug disse...

NOssa minha mãe as vezes faz uns comentariozinhos toscos desses!!!
Tb fico querendo churar o pau da barraca...rsrsrs
mas ainda não é TIME...
pq?!
Tempo pra mim é Dinheiro... rsrsrs
tenho queterminar a facu!!! ae quem sabe eu falo
rsrsr
Beijos

Marcia Paula disse...

Amores,como vão?

meu papi jurava que conhecia homossexuais a quilômetros de distância e eu do ladinho dele...hahahahahaha. O pior é que eu tenho jeito de lés.Beijos.

Leandro Jardim disse...

compreensível :)

Flor de Azeviche disse...

Essa vontade de chutar o balde é constante, já tive vontade de fazer o mesmo. Por enquanto não posso, motivos de força maior.
Beijoos

Queer Girl disse...

Calma, que a vózinha pode não aguentar!!
O melhor jeito é dando uma de mineira...vai comendo o mingau pelas beiradas...
Um dia, pof!
Sai tudo!!
bjos querida!!
Mari

missgray disse...

Sem comentários para sua avó. Infelizmente, isso acontece.
Beijão, Alice e Rainha!

Nina disse...

De passagem por aki .. li todo o blog.
Adoreio o manual, vcs estão de parabéns.

Quanto ao post atual .. Vontade de chutar o balde não me falta .. Mas acho q a vida vai virar um inferno ...

Beijos moças.

Ana Meca disse...

Os meus pais sabendo desde cedo de tudo e aceitando as minhas namoradas, às vezes até se esquecem e comentam da mesma forma e aí eu só olho e o silêncio se instala. Está tão assumido que até se esquecem...giro não é?
Mas com outras pessoas que comentam, invariávelmente apetece-me dizer: também eu!, só que nem sempre é possível!
Agora a proposito de avó...quando os meus pais ainda não aceitavam bem, era ela que me convidava para levar a namorada no fim de semana a casa dela...

Giulia Gomes disse...

Oi
gente
passei por aki, li muuuuuuita coisa no blog e amei !!
parabéns pelo trabalho! Estarei acompanhando!
Bjooooos

le fou disse...

Eu só queria saber se vcs podem me ajudar a compor um personagem. Basicamente é seguinte: a irma mais velha gosta de uma mulher de quem é chefe, e sua irma (mais nova e menos poderosa na empresa) nao quer perder para a irma só que ela nao quer ou nao pretende ser uma lesbica. Me diz se ela poderá levar essa experiencia adiante. Isso poderia ter três possibilidades: 1) ela só fica na tentativa; 2) Ela chega longe e percebe que foi um erro; 3.0)Ele descobre que a "brincadeira" fez ela descobrir que tb gosta de mulheres, o que poderia levar a outras duas possibilidades: 3.1)aceitar sua nova configuraçao; 3.2) tentar negar a si essa nova vontade.
Pedido 2: Estou pesquisando e baixando animes YURI (animes com relaçoes afetivas entre mulheres) e alguns Hentais Yuri (com sexo entre mulheres) - o que vc diria sobre essa forma de apresentar o lesbianismo, as lesbicas gostam destes animes, ou é só material de fetiche masculino?
E se conhecer algum anime me diz quais os mais interessantes e verdadeiros.
OBRIGADO E PARABENS PELA MACIEZ.
Ah! me dá uma dica de onde posso baixar ou alugar (in SP) filmes lesbicos.
(adrianolefou@hotmail.com)

Anônimo disse...

Bom, conheci minha (ex)namorada com 16 anos éramos muito novas e não tinhamos muita noção do perigo! rs. Quando eu não dormia na casa dela, ela dormia na minha...todas as sextas, sábados, domingos e feriados. Festas de família, casamento, aniversários da mãe, da tia, da avó, estavamos juntas em todas. Aonde ia a corda ia a caçamba. Não demorou muito, aliás, não demorou nada pra descobrirem que tinhamos mais que uma bela amizade. Foi aí que os tormentos começaram...meu avô militar, que sempre vivia falando do filho da vizinha começou a fazer comentários mega-preconceituosos e eu os engolia como se fossem fel. Um dia no meio de uma discussão, ele me chamou de sapatão, o sangue ferveu, eu surtei e gritei de volta: "sim, sou mesmo! e chame como quiser! o importante mesmo é que eu durmo com uma mulher, a mulher que eu amo!". Passamos um bom tempo sem nos falarmos, nesse interím saí de casa e acabei me distanciando do resto da família. Passados alguns meses (uns 12, 14, não me lembro ao certo), ele veio me pedir desculpas, e disse que continuaria a me amar de qualquer forma. Minha mãe que no princípio não conseguia nem se pronunciar a respeito, foi a primeira pessoa a me apoiar e dizer que eu acharia uma mulher que merecesse meu amor quando meu relacionamento terminou.
Não acho que ninguém é obrigado a aceitar, mas devido a minha postura, acho que todos são impelidos a respeitar. E isso já é um bom começo.
Hoje todos sabem e até brincam, vira e mexe quando eu estou solteira me perguntam quando eu vou achar uma namorada que me faça sossegar!

É isso...

Bjs.

Dani disse...

Rsrsrs
Eu tô nesse dilema!Mas ate o fim do ano eu chuto!!

Mutante disse...

no meu caso eu já chutei o balde, como eu era casada com homem e hoje estou namorando uma menina, a coisa ficou preta pro meu lado, não era esperado sabe? rs
mas eu nem ligo, felizmente hj moro sozinha e digo: sou sapatão sim e daí? pode usar a palavra que quiser, se ela representar, a grosso modo, o meu amor por uma mulher então tá td certo ;)
ops desculpa a invasão aí, mal cheguei e já falei horrores! rs
abraço